terça-feira, 12 de outubro de 2010

Contar...

As pessoas a minha volta sempre me perguntam se eu conto, contei ou vou contar para o Enzo o que aconteceu e porque mamãe e papai não estão mais juntos.
Na verdade eu acho que ele é muito pequeno para entender qualquer coisa então tenho em mente que responderei as perguntas conforme elas forem aparecendo e quando ele for grande o suficiente para entender e quiser saber os reais motivos de tudo o que aconteceu, pretendo contar.
Talvez ele não precise e não queira nunca saber, ou talvez sim...vamos esperar.
No momento, meu pequeno de 2 anos e meio, está muito preocupado em brincar, ver os aviões, trem, peru, cavalo e ficar o maior tempo possível com o vovô.
Acabamos de chegar e até então ficar na vovó e no vovô era sempre por um curto espaço de tempo mas, até agora ele não perguntou pelo Pai, pela nossa casa ou falou em São Paulo.
Acho que a atmosfera e as boas vibrações daqui lhe fazem bem, pelo menos a quantidade de vezes que ele me pergunta se eu estou feliz diminuiu bastante. 
Talvez quando estivermos na nossa casa e a novidade passar a ser rotina ele sinta alguma diferença.
É triste uma criança crescer sem a presença do Pai mas, entendo porquê ele não pergunta e nem sente essa ausência. 
Sabe aquela frase, super clichê que diz: "Não basta ser Pai, tem que participar!" Então, lá em casa não era assim e o resultado a gente percebe agora.
Triste, mas real.
Por mais que esteja sendo dolorido, sei que estou poupando meus filhos da maior parte do sofrimento, quero que logo eles se acostumem com a nova casa e tudo o que a cidade, a família e os amigos podem oferecer. 
Acredito muito que ficaremos bem e que de alguma forma eu conseguirei pelo menos suavizar tudo o que aconteceu para que eles possam crescer bem, com bons exemplos e que isso não seja uma marca na vida deles a ponto de fazê-los repetir a experiência.

2 comentários:

APA disse...

A very beautifully written and carefully thought out reflection, Querida Melina. I agree that the positive, happy, supportive environment that you now know will nurture you and your children through this time, for always. And your strength and gentility as mother, as woman is an example of love and what we are capable of as human beings.

xoxo...Ana

Lane e Pedro Henrique disse...

Admiro sua coragem! Com certeza todos vcs ficarão bem!